31 agosto, 2012

Privatizar a RTP é oferecer um negócio de luxo aos privados, financiado pelos contribuintes!


Na realidade a RTP não vai ser privatizada, pois a parte que dói mais aos contribuintes será mantida, o parasitismo sorvedouro dos nossos impostos.
Ou seja quem a comprar saberá que está a obter um negócio com lucros garantidos, lucros esses ampliados ainda, por apoios do estado, sempre ao abrigo da desculpa do serviço público... aquele que ninguém considera público, e que todos estaríamos dispostos a abdicar, para nos vermos livres de tanta empresa que adora permanecer com o cordão umbilical ligado ao erário público. Essa fonte inesgotável de dinheiro que eles, os empresários ditos privados, adoram.
A questão já nem é privatizar ou não... a questão é que em todas as opções o Zé Povinho é sempre enganado, traído e saqueado, invariavelmente...
"O anúncio da concessão da RTP a privados continua a dar que falar. Sabe-se agora que quem ficar com o canal do estado vai ter um lucro garantido de pelo menos 20 milhões de euros. A decisão final ainda não foi tomada pelo governo, mas as regras de concorrência europeia podem levar Bruxelas a vetar este negócio."
porshe RTP
"Francisco Louçã criticou o modelo de privatização da RTP divulgado, sublinhando que permitirá à empresa que ficar com a estação, lucros na ordem dos 140 milhões com a taxa cobrada aos contribuintes "sem qualquer esforço ou mérito". expresso.

57 carros de luxo na frota da RTP
"Os custos com automóveis ultrapassam um milhão de euros e destinam-se a administradores, diretores e alguns chefes de serviço.
Segundo o "Correio da Manhã", a prestação de aluguer do Mercedes Classe E 220 CDi do presidente do conselho de administração da RTP, Guilherme Costa, custou 11 674 euros, de acordo com o "
A lista de alugueres da RTP inclui 23 Audi A3, quatro Audi A4, quatro Volkswagen Touran e quatro Citroen C5, entre 57 viaturas." fonte
- Entre serviços de consultoria, assessores e advogados, a RTP gastou, em 2012 e nos primeiros três meses de 2013, mais de 1,3 milhões de euros. fonte

Mais noticias sobre a RTP, interessantes...
Miguel Sousa Tavares afirma que esta forma de privatização, é pura gestão danosa... O estado vai pagar para alguém ficar com um negócio da China!!! 

30 agosto, 2012

16 mil milhões, para quem??? Paga e cala... Mais uma farsa montada.




  Agora é a vez da EDP usar os nossos impostos para montar o seu negócio sem risco???
O plano nacional de barragens custará ao estado 16 mil milhões de euros, de todos nós, para financiar um negócio cujos lucros serão para a EDP! Lucros que terão de ser garantidos - 49 milhões de euros ao ano, durante 75 anos.
O que significa que, se der prejuízo, que é o mais provável, o estado paga... Os senhores milionários recusam-se a correr riscos. Preferem deixa-lo para o otário que nunca é consultado... o Zé Povinho!
Mais ofensivo é que, segundo os especialistas, a sua produtividade é nula, ficando bem à vista que o importante não vai ser produzir electricidade, mas enriquecer os que participam neste desfalque ao país. (minuto 4 do video)
O abuso prossegue... Os sucessivos governos provocaram buracos ruinosos e irreversíveis nos nossos impostos, com as rendas das PPP, onde o governo teve o descaramento de negociar contra os interesses nacionais. Negócios que consistiam em o estado entrar com a maior parte do dinheiro a investir, mas quem ficava com a exploração e o lucro eram os amigos das empresas privadas!!

Mas não bastando este descaramento, o governo ainda decidiu oferecer mais dinheiro do erário público, decidiu que o estado português e os portugueses deveriam ser obrigados a garantir um lucro de 14% ás privadas que ficaram com o negócio... ou seja mesmo que a exploração dê prejuízo, os portugueses são obrigados a garantir que os milionários terão sempre lucro, pagando...
Este estilo de negócio tem sido usado em estradas, pontes, hospitais, aeroportos, linhas de comboio, metros, etc etc etc... mesmo que seja ruinoso, o governo alinha. Os utentes das estradas concessionadas, estão a decair, e quem irá pagar por isso? Agora é a vez da EDP...

MÁ AVALIAÇÃO AMBIENTAL E ENGENHARIA FINANCEIRA PARA ENGANAR O DÉFICE

29 agosto, 2012

Mudam de ideias quando lhe acenam com benefícios?


Presidente da fusão entre Metro e Carris aceita dirigir projeto que considerava "uma coisa sinistra"



O homem que considerava que a fusão entre o Metro de Lisboa e a Carris seria "uma tragédia" foi o escolhido pelo Governo para a fusão das duas empresas e para presidir depois ao Conselho de Administração da nova empresa. Há um ano, José Silva Rodrigues tinha dito também que a fusão que agora vai dirigir seria "uma coisa absolutamente sinistra"sicnoticias
Após assistir ao video, certamente lhe surgirão estas questões, a que, certamente, ele se recusaria a responder... 
  1. Como é que convenceram este senhor a servir interesses opostos aos dos portugueses? E a mudar de discurso? 
  2. Como é que este senhor consegue dormir descansado e de consciência tranquila, quando vai transformar duas empresas, numa "incomensuravelmente pior" ? O que o move nesta sua intenção destrutiva e sádica?
  3. Porque razão se sujeita a reunir o pior da Carris e o pior do Metro numa única e ruinosa, empresa pública?
  4. Que mal lhe fizeram os portugueses para terem que suportar mais este estratagema ruinoso, que ele reconheceu?



28 agosto, 2012

Justiça que sustenta.... os principescos ordenados dos actores do sistema judiciário...

injustiça
"A forma como é encarada a corrupção pela justiça, agride violentamente a minha consciência de cidadão, de democrata e, tanto quanto me consigo avaliar, de pessoa de bem.
Retive que um empresário do norte, depois de ser escutado pela polícia, autorizada por um juiz, tentando corromper um vereador da Câmara Municipal de Lisboa, conseguiu ser, em julgamento, ilibado e, mais tarde, que o vereador em causa fosse condenado.
Mas o processo continuou…
Deixo, para futuro desabafo, a difusa moralidade de tudo isto e foco-me, por agora, na máquina judicial:
Em qualquer julgamento, temos como encargos do Estado – pagos pelos nossos impostos – a investigação (polícia), a elaboração do processo (magistério público), a audiência (juízes), toda a máquina administrativa, estruturas (edifícios) e inevitáveis custos de operação e manutenção.
Quer os procuradores quer os juízes, são dos funcionários mais bem pagos do Estado – pelos nossos impostos.
Fará sentido, que arrastem anos e anos processos com retorno nulo para o erário público, enquanto recebem, principescamente, do esforço financeiro comum?
Processos como Casa Pia, Apito Dourado, Face Oculta, Freeport, e o próximo, BPN, que retorno financeiro deram ou darão ao Estado? E quanto nos custaram e custarão os vencimentos dos funcionários envolvidos, durante anos e anos a fio?
Significará que, porque é cara, vamos deixar de aplicar justiça?
Claro que não! Agora vamos fazer reverter para o Estado todo o património do réu necessário para pagamento dos custos com a justiça.
Caso seja insuficiente, o réu terá como condenação acessória o pagamento por trabalho durante tantos anos, quantos os necessários, até ao completo pagamento da sua dívida.
A dívida poderá ser paga por terceiros.
Mas, porque será que procedimentos incidindo sobre casos de muito maior dimensão, complexidade e até impacto internacional, obtêm condenação em poucos meses nos E. U. A. e por cá, processos muito mais simples, demoram vários anos?
(Refiro-me ao caso “Bernie” Madoff que envolveu, estima-se, mais de 50 mil milhões de euros).
Porque a lei, por lá, é diferente? Pois será.
Mas quem faz com que as leis sejam diferentes por cá?
Não serão os interessados em que os processos se arrastem para garantirem bons ordenados, influência, mediatismo e/ou clientes por tempo indeterminado?
Transponha-se para este país, essa legislação expedita (obviamente, sem a pena capital) e acabe-se com a burocracia que apenas serve para alimentar quem dela vive.
Aguardo para ver quanto tempo a condenação – esperada - do criminoso confesso Oliveira e Costa, ex-secretário de estado de Cavaco Silva, irá levar e qual a pena que suportará…
E nós, com um rendimento per capita inferior a metade do americano vamos, entretanto, pagando por cada processo judicial, dezenas de vezes mais para alimentar o Sistema..." desabafosdeumtraido

27 agosto, 2012

Cadastro é currículo?? Em Portugal, sim.

corrupção lei justiça
O cadastro, ou currículo de muitos políticos portugueses é revelador do estilo de pessoas que decidem enveredar pela carreira politica. 
O caso BPN é outro exemplo, de ex políticos que decidem enveredar pela via empresarial, beneficiando de favores e impunidade, obtidos apenas, por terem pertencido à elite politica.
Ou ainda Sócrates...  O Cadastro de Passos Coelho  também é vasto!!!!

Paulo Morais deixa-nos este testemunho bem realista, desvendando como o dinheiro dos nossos impostos, está desde sempre, condenado e com destino marcado, na mão de gananciosos sem escrúpulos e sem lei. 

"Armando Vara ou Dias Loureiro concluem as suas carreiras como empresários de sucesso. E ricos.
Porque será que tantos políticos se dedicam à vida empresarial? E o que irão eles fazer para as empresas? Negócios com o Estado, claro está. Quase sempre. Negócios de milhões. Os lugares dourados em empresas do regime são, aliás, o destino final das carreiras políticas dos mais habilidosos.
Armando Vara ou Dias Loureiro (e muitos de igual jaez) não teriam provavelmente sucesso em qualquer outro país. Mas por cá, graças à política, concluem as suas carreiras como empresários de sucesso. E ricos. Porque o regime compensa carreiras que são construídas de pernas para o ar e ao arrepio de toda a competência.
Na Europa ou nos Estados Unidos da América, os bons profissionais saem das universidades, vão trabalhar em empresas e instituições, criam riqueza. Depois de terem provado que sabem fazer alguma coisa de útil, alguns optam por disponibilizar os seus conhecimentos ao serviço da comunidade. E aí iniciam uma participação política. No final das suas carreiras, muitos vão para as universidades transmitir o saber que adquiriram ao longo da vida.
Em Portugal, o percurso é bem diverso. Concluída a formação universitária, os dirigentes partidários anseiam por um cargo político. Para o qual são nomeados por via do seu currículo partidário e jamais por qualquer competência académica ou profissional.
Empossados em funções públicas, a maioria logo esquece o povo e até a lei. Exerce o seu lugar ao serviço da teia perversa de negócios em que os partidos estão envolvidos. Ao fim de alguns anos, instala-se comodamente num qualquer "tacho" duma empresa privada, auferindo milhões.
Poderiam eles ser administradores em empresas de referência de países desenvolvidos? Obviamente que não. Apenas obtêm estes lugares porque no exercício das suas funções públicas favoreceram os grupos privados, que agora os gratificam. E que os recompensam pelo prejuízo que provocaram ao Estado português. Prejuízo que continuarão, aliás, a causar, obtendo favores do Estado para os grupos dos quais agora são assalariados. E para os quais afinal sempre trabalharam, mesmo enquanto políticos." CM


"Vários processos de contra ordenação por violação de regras ambientais, vários exemplos de má gestão são matérias que merecem vir a público sobre o passado de Passos Coelho enquanto gestor e economista.
Conheça todos os episódios." Cadastro de Passos Coelho

"Pedro Passos Coelho tem vários processos de execução fiscal pessoais por frequentes apresentações de declarações fora de prazo. (aqui identificamos alguns desses processos e respectivas coimas).
E como administrador do Grupo Fomentinvest Ambiente, SGPS viu-se envolvido em mais de 10 processos de contra-ordenação (em anexo mapa dos processos de contra-ordenação)."

Mais cadastros....

26 agosto, 2012

Como incentivar a criação de empresas em Arronches?

corrupção má gestão
Segundo o ditado popular, não se deve colocar a carroça à frente dos bois. Mas em Arronches parece que discordam desta filosofia e decidiram construir um parque empresarial antes de haver empresas. 
Talvez para incentivar alguém a se aventurar e a criar uma empresa... é que, segundo o site de Arronches, não existe nenhuma empresa nesta terra.
concelho tem 3119 habitantes.
O Município de Arronches publicou, em Diário da República, o anúncio do concurso público para a construção do "Ninho de Empresas", com um custo (previsto) de 675 000.00 euros. 
O site dedicado às "empresas sediadas em Arronches" não apresenta um único nome de empresas, ficando por entender o porquê desta obra ... e o porquê de um custo tão elevado!!! 
A este custo haverá que somar ainda as esperadas "derrapagens"... Ou rapinagens... Velho truque usado nas obras públicas, pelas construtoras, que apresentam um orçamento razoável para ganharem os concursos... mas nunca o cumprem, acabam sempre por ir buscar muito mais dinheiro, do que aquilo que foi aprovado.
Mais exemplos de obras inuteis e megalómanas 

25 agosto, 2012

Paulo Portas, o politico sincero...






Nestes curtos vídeos ficamos a saber muito sobre Paulo Portas. Desvenda os seus ideais, a sua integridade, a sua força mas principalmente o seu humor.
Paulo Portas garante que odeia o poder... que é contra o poder. 
Garantindo que bastava um amigo dele chegar ao poder ele passava logo para a oposição.... há piadas imperdiveis, e há hipócritas imperdoáveis. 



Paulo Portas consegue ter imensa piada... afirma que;
Não recebo dinheiro do estado, nem quero receber...
Não quero ser politico, não quero nenhum tacho do estado.
Não quero ser eleito...  

24 agosto, 2012

Democracia sem justiça. A impunidade promove o crime.

Isaltino Morais corrupto paulo
china corrupção executa ministro

Os eleitores chegaram a um ponto que sendo forçados a escolher apenas entre políticos corruptos, escolhem o mais corrupto e o mais eficaz (experiente), pelo menos garantem que ficam a ser governados pelo que rouba melhor. Não apenas para ele próprio, mas também para os que governa. Desfalcando o erário público.
João Jardim é o exemplo mais caricato e marcante deste fenómeno. O politico eternamente eleito por alegar que "desfalca" os continentais para enriquecer a Madeira, pois estes têm que ter as mesmas coisas que os continentais. Gere com incompetência os dinheiros públicos, e a pobreza do povo alastra-se. 
"Executivo de Alberto João Jardim vai pagar amanhã (16/01/12) a dívida de quatro milhões de euros às farmácias.
O executivo madeirense justificou a falta de pagamento com a necessidade de dar prioridade a projectos comunitários.
"Num quadro em que sempre vivemos com dificuldades financeiras, foi entendido pelo Governo Regional dar prioridade a financiar projectos comunitários, sem os quais a região não podia beneficiar dos fundos comunitários", declarou o secretário regional do Plano e Finanças, Ventura Garcês." 
(a divida total é de 77 milhõesfonte  (prioridades???????)

O presidente do governo regional da Madeira afirma... “A dívida da Madeira é 1,8% do total do país, representamos 2,5% da população. Se calhar até devíamos ter feito mais dívida", sublinhou."  (18-11-2011.fonte)

Para João Jardim as coisas colocam-se nesta fórmula simplista e obtusa, aquela que a sua mente brilhante, lhe permite..
A dívida da Madeira é 1,8% ... e os madeirenses contribuíram com que percentagem DE IMPOSTOS, para o estado comparativamente com os continentais?
Ou ainda ... "representamos 2,5% da população"... e será que pagam tantos impostos e usufruem dos mesmos benefícios que os continentais? Pois claro que não...
Esses 2,5% de madeirenses pagam menos impostos que esse mesmo número de continentais e ainda custam mais ao estado....  apodrecetuga

Isaltino Morais é o exemplo mais ultrajante... 
"Isaltino Morais continua à solta.
Foi condenado nos tribunais, em todas as instâncias, mas o Estado português não tem meios para o mandar prender. É esta a triste realidade: o cidadão Isaltino tem mais poder do que todo o sistema de Justiça.
Isaltino não é apenas um autarca ou até só um réu. É já um símbolo deste regime decrépito. Representa o que há de pior na promiscuidade entre negócios e política, simboliza a corrupção e a total impunidade.
Toda a sua vida política e empresarial e todo o seu enriquecimento são representativos do quanto este regime se degradou.
As suas sucessivas eleições para a Câmara de Oeiras já nem surpreendem. Os oeirenses sabem que a generalidade dos políticos não é séria e por isso acreditam que ter como presidente um criminoso com obra é talvez um mal menor. Na senda do slogan desse Isaltino brasileiro que foi Ademar de Barros: "Rouba mas faz."
Isaltino foi acusado dos crimes de participação económica em negócio, corrupção, branqueamento de capitais, abuso de poder e fraude fiscal. Segundo a acusação, Isaltino Morais "recebia dinheiro em envelopes entregues no seu gabinete" para licenciar loteamentos, construções ou permutas de terrenos.
Depois de um longo processo, já com sete anos, veio a consequente condenação. A que se seguiram recursos e mais recursos. Mas, mesmo depois de os recursos terem sido declarados improcedentes, o presidente da Câmara de Oeiras continua à solta.

O próprio presidente do Supremo Tribunal de Justiça veio proclamar que a prisão já deveria ter tido lugar e que "não faz sentido que a pena ainda não tenha sido executada". Mas graças ao seu enorme peso político, e dispondo do apoio de advogados que se mexem com perfeição no pântano em que o aparelho de Justiça se transformou, Isaltino é impune.
A não detenção de Isaltino é escandalosa, mesmo em Portugal.
Faz perigar o Estado de direito, pois o mínimo que se exige a um sistema de Justiça é que consiga executar as suas decisões. E esta situação pode até constituir uma sentença de morte para a própria democracia. Pois um Estado que não é de direito não é democrático."  cmjornal

"Isaltino está livre graças a “forças superiores”. Quem o diz é o vice-presidente da Transparência e Integridade – Associação Cívica, Paulo Morais. Em declarações ao JN, o responsável afirma que “só se compreende que Isaltino não seja preso porque existem, acima da Justiça, outro tipo de forças superiores”. fonte

Em Portugal gostam de eleger e nomear, pessoas com um cadastro vasto???
Isaltino com lugar em fundação depois da prisão
Nomeado para a Administração da Fundação Marquês de Pombal.
Isaltino Morais, que pode estar a dias de sair da prisão, onde se encontra a cumprir uma pena de dois anos por fraude fiscal, tem à sua espera um lugar no conselho de administração da Fundação Marquês de Pombal, Ao que o CM apurou, o nome do ex-presidente da Câmara de Oeiras, de 64 anos, surge em primeiro lugar na lista de designados para a administração da Fundação, entre 2013 e 2016, da qual fazem parte também Armindo de Azevedo, Alfredo Castro, Aline de Almeida e Maria Paula da Silva.
A designação deverá ser dada a conhecer hoje ao Executivo camarário, através de uma proposta de deliberação assinada por Paulo Vistas, presidente da autarquia de Oeiras. Recorde-se que Isaltino Morais está preso desde abril, mas pediu para cumprir o que lhe resta da pena em prisão domiciliária, sendo que os técnicos da Reinserção Social já deram parecer positivo. fonte

A promiscuidade das Câmaras, o compadrio, os favores e o abuso do dinheiro público.

gestão danosa governo
Paulo Morais, neste artigo, revela onde são desperdiçados muitos milhões dos nossos impostos. Usados de forma abusiva por aqueles que alcançam o poder, nas autarquias. Em obras e serviços inúteis, através de adjudicações directas que injustamente, apenas servem para favorecer aqueles que ajudaram os autarcas a chegar ao poder, exibindo o maior desprezo pelos interesses da região e dos contribuintes.
É uma espécie de compadrio, onde se beneficiam os intervenientes e lesam os contribuintes - "Tu ajudas-me a chegar ao poleiro, para ter acesso aos impostos, que eu depois distribuo-os por todos nós." 

"Câmaras invertidas
As câmaras municipais ficam muito caras aos cidadãos. 

Cada português paga em média cerca de mil euros por ano de impostos para a sua autarquia, ou seja, quatro mil euros para uma família de média dimensão. 
E para quê? Para muitos autarcas andarem a adjudicar negócios aos financiadores das campanhas eleitorais e a garantir empregos aos apaniguados do partido.
As autarquias esqueceram, ou até inverteram, a missão que lhes está atribuída. Deveriam, em primeiro lugar, gerir, com qualidade, o espaço público. Mas as ruas e passeios estão em péssimo estado, pela total ausência de um sistema de manutenção. A via pública está suja, resultado duma limpeza urbana ineficaz. Rareiam os parques infantis, não há infra-estruturas de apoio, o espaço público está abandonado à sua sorte.
Competiria também aos municípios garantir o ordenamento do território, através dos seus pelouros de urbanismo. Mas estes transformaram-se, muitas vezes, em centros de troca de favores entre autarcas, dirigentes e promotores imobiliários. De tudo lá se passa, valorização ilegítima de terrenos, um tráfico de influências generalizado... tudo, menos a organização adequada do território e a procura de qualidade de vida para os cidadãos. Mas se as câmaras não cumprem a missão que lhes está conferida, para onde são afinal canalizados os recursos? Onde são derretidos os muitos milhares de milhões de euros, a começar pelos mil milhões de orçamento da Câmara de Lisboa e a acabar na mais pequena das autarquias?

Não será difícil adivinhar para onde vão todos estes recursos. Cerca de metade vai para alimentar uma máquina de pessoal gigantesca, que vem sendo aumentada com a entrada em catadupa de "boys" partidários. Este fenómeno agravou-se ainda mais na última década, com o advento das empresas municipais. O restante orçamento é destinado maioritariamente à adjudicação de empreitadas aos empresários que financiam as campanhas eleitorais. No final, pode ser que, por coincidência ou engano, se faça alguma coisa de jeito, se construa uma ou outra obra necessária, mas são apenas as excepções que confirmam a regra.
Em vésperas de alteração da legislação autárquica, é crucial recordar que o maior problema das câmaras não é o seu organograma, mas o seu orçamento."

23 agosto, 2012

Quem cria empregos? Não, não são os ricos. Essa é apenas a desculpa para proteger os ricos dos impostos.




Politica e economia para tótos???
"Um comum consumidor da classe média cria muito mais emprego do que um capitalista como eu."
Se todos acordarmos para a verdade, saberemos que estamos a ser geridos para a ruína deliberadamente. Com incompetentes e destruidores da economia, no poder, é apenas o que se pode esperar.
Impingem teorias de tótos para tótos, e infelizmente ninguém as questiona, porque os que pertencem à elite, beneficiam delas, e o Zé Povinho, esse, não sabe metade da história.

Nick Hanauer é um investidor de sucesso, milionário, habituado a contratar pessoas para trabalhar nas suas empresas. Foi convidado para uma palestra TED - uma organização não-lucrativa norte-americana dedicada à divulgação de ideias inovadoras nas áreas da tecnologia e do investimento. A palestra não agradou aos organizadores e não publicaram o vídeo no site, porque ele decidiu expor verdades que incomodam os ricos e deveriam despertar os pobres, vitimas da ganancia deles.

Começou por deitar por terra a teoria que todos teimam impor como verdade absoluta - 
A de que são os ricos que criam emprego, e portanto devem ter todo o apoio e isenções fiscais, dos governos. 
Explica que na verdade são os consumidores que criam emprego, portanto a classe média, os que compram os produtos que as empresas criam e querem vender. 
Um patrão apenas contrata empregados como último recurso; se a empresa não crescer, se os consumidores não comprarem, se a classe média perder poder de compra, não há novos empregos e os antigos começam a ficar ameaçados.
Por isso, o milionário Hanauer, defende que os impostos sobre os mais ricos devem ser aumentados para atenuar as desigualdades sociais e aumentar o poder de compra da classe média.  Parece simples e evidente, não é?

22 agosto, 2012

O cardápio de luxo da Assembleia da República!!! Não, não é o Dubai é mesmo Portugal.

O Majestoso cardápio de luxo da Assembleia da República!!
"A forma aburguesada e parola de estar deste conjunto de indivíduos que designamos deputados e que continuamos a eleger para se alimentarem na AR atingiu as raias do ridículo. Não sei qualificar, não consigo quantificar e torna-se difícil analisar a leviandade e falta de vergonha, especialmente na época de crise em que vivemos e para a qual muitos destes senhores contribuíram decisivamente.
Exigem sacrifícios, inventam cortes muito para além do aceitável e sustentável mas continuam a viver dentro das portas por nós pagas muitíssimo acima do necessário. Um olimpo intocável, vergonhoso, luxo descarado e difícil de compreender.



Veja-se o menu:
"Perdiz, porco preto alimentado a bolota e lebre são alguns dos produtos exigidos pelo Caderno de Encargos do concurso público para fornecer refeições e explorar as cafetarias do Parlamento. Das exigências para a confecção das ementas de deputados e funcionários constam ainda pratos com bacalhau do Atlântico, pombo torcaz e rola..."Correio da Manhã
"Pombo torcaz, rola e porco preto alimentado a bolota"? Não podem os senhores deputados alimentar-se como os demais cidadãos? Febras, bitoques e filetes de pescada, não pode ser? Estes tiques pseudo-chique-saloios de quem tem acesso ao poder e dinheiro e se está a borrifar para a imagem que passa para o cidadão comum, o desgraçado que tem de continuar a andar à pancada no Pingo Doce uma vez por outra para pagar metade da factura, são mesmo fundamentais? É necessário este descaramento em forma de cardápio? E se levassem de casa a comidinha no tuperware e aquecessem no micro-ondas, não fariam melhor figura?

"...o café a fornecer deverá ser de "1ª qualidade" ( isto é transcrição de uma escuta telefónica) e os candidatos ao concurso têm ainda de oferecer quatro opções de whisky de 20 anos e oito de licores. No vinho, são exigidas 12 variedades de Verde e 15 de tintos alentejanos e do Douro."
"Whisky? Licores? 12 verdes e 15 tintos? Exigidas"? Estamos a falar da lista de compras de um bar da 24 de Julho ou das cafetarias da AR? Existe uma discoteca chamada "Parlamento" na cave do edifício? Digam que sim - por favor, para não sentir tanta vergonha por ajudar a sustentar esta pandilha democrática. Digam-me que vão todos beber como uns alarves para esquecer o que têm feito ao país e sempre dá para compreender este chorrilho de disparates.
Isto só vem demonstrar que por muitas diferenças que ostentem nos debates matinais, à hora do almoço eles são todos iguais. Comem-nos todos da mesma maneira e sem vergonha nenhuma. O exemplo neste país vem sempre de baixo para cima. E isso é inaceitável." expresso
O regalo com os nossos impostos em faustosos repastos, já vem de vários governos, cada um com novas exigências para completar o abuso. E é assim que estes senhores defendem o estado... para seu proveito... sempre.

Segundo o site Má despesa pública: “O critério mais importante na avaliação e subsequente selecção do fornecedor das refeições é a avaliação da ementa. Esta avaliação é feita tendo por base os tipos de produtos constituintes da refeição, sendo a ementa mais valorizada se dela fizerem parte os seguintes produtos: Perdiz, lebre, pombo torcaz, rola e similares, Lombo de novilho, Lombo de vitela, Lombo ou lombinho de porco preto (bolota) e Camarão/gamba grande (24 por Kg ou maior).
Diz ainda o caderno de encargos que o fornecimento de refeições deve ter em consideração as regras de uma alimentação equilibrada, tendo por base a dieta mediterrânea. Mais à frente na lista de capitações, o "bife em peça" tem uma capitação de 210 g, e o "Bife cortado" 190 g, ou seja, superior ao dobro do que é recomendado no contexto quer da dieta mediterrânea, quer de alimentação equilibrada".
O concurso está publicado no DR nº 77 Série II - Anuncio de procedimento nº 1585/2012. No entanto, só tem acesso ao caderno de encargos quem tem acesso à Plataforma das Compras Públicas. O caderno também está disponível para consulta na Assembleia da República. madespesapublica

Que contrato é este?
“O contrato tem por objeto o fornecimento de refeições no refeitório e no restaurante do Palácio de S. Bento e a exploração de cafetarias da Assembleia da República, o fornecimento de café e chá nas reuniões de Comissões, ou outras que ocorram na Assembleia da República e, bem assim, o fornecimento de bebidas, produtos de pastelaria, salgados habituais, canapés e fruta nos coffee breaks, em quantidades e condições estabelecidas no presente Caderno de Encargos.”

A AR tem um restaurante para 10 almoços por dia!
A AR tem um restaurante e um refeitório. Tirando os dias de plenário, o restaurante da AR serve apenas 10 refeições por dia A maioria das refeições são servidas no refeitório. “Durante o ano de
2011 no refeitório foram servidas, em média 280 refeições diárias, e no restaurante cerca de 40 nos dias de reunião plenária (quarta, quinta e sextas feiras) e 10 nos restantes dias.”
Cinco pratos à escolha no refeitório
Segundo o caderno de encargos, no refeitório terá de ser servida:
“-Sopa: normal e dieta (obrigatoriamente elaborada com base em vegetais frescos e/ou congelados, sendo proibido o uso de bases pré-preparadas. São admissíveis sopas com elementos proteicos uma vez por semana – sopa de peixe, canja de galinha, etc.)
-Carne, peixe, dieta, opção, Bitoque;
-Pão, integral ou de mistura;
-Salada;
-Sobremesas incluindo, no mínimo, 4 variedades de fruta e 4 de doces/bolos/sorvete, além de maçã assada e salada de frutas.”

Mas há mais:
“- uma mesa com complementos frios (saladas), com no mínimo 8 variedades entre as quais se incluem, obrigatoriamente, tomate, alface e cenoura, além de molhos e temperos variados;
- uma mesa com um prato vegetariano e mais 4 componentes quentes vegetarianos (cereais, leguminosas e legumes).”
Curiosidades sobre ingredientes
Café: “O café para serviço nas Cafetarias deverá ser de 1ª qualidade, em grão para moagem local, observando lotes que incluam um mínimo de 50% de “arábica” na sua composição.”
Bacalhau: “O Bacalhau deverá ser obrigatoriamente da espécie Cod Gadusm morhua. Pode apresentar-se seco para demolha, fresco ou demolhado ultracongelado, observando-se como tamanho mínimo 1 Kg (“crescido”), para confecções prevendo “desfiados” (à Brás, com natas ou similares) ou 2 Kg (“graúdo”) para confecções “à posta”.

“Carnes de Aves:
“Peru (inteiro em carcaças limpas com peso superior a 5 Kg, coxas, bifes obtidos exclusivamente por corte dos músculos peitorais). Frango (inteiro em carcaças limpas com peso aproximado 1,2 Kg, coxas e antecoxas, bifes obtidos exclusivamente por corte dos músculos peitorais).
Pato”
A informação consta das fichas técnicas dos ingredientes pretendidos.
E qual o critério de adjudicação?
Determinante para vencer o concurso é mesmo a qualidade e variedade da ementa.
“1 - A adjudicação é feita segundo o critério da proposta economicamente mais vantajosa, pela
aplicação dos seguintes fatores:
a) Qualidade e variedade das ementas apresentadas. Nível qualitativo das matérias-primas indicadas nas respetivas fichas técnicas: 50%;
b) Preço da refeição: 30%;
c) Preço do encargo fixo com o pessoal das cafetarias e manutenção: 20%.” Mádespesapública

A corrupção é a nossa escolha, vejam as escolhas noutros países e pasme. Não perca estes vídeos. Perceba que apenas vivemos afundados na corrupção e no abuso porque os políticos assim o decidem e o povo não possui a capacidade de se unir e votar contra os políticos que assim decidem.

Já aqui se tinha feito referencia ao despesismo em luxos da Assembleia da Republica.

21 agosto, 2012

Salários dourados nas fundações... e nós a pagar.

fundações parasitas impostos
Em Portugal já não basta assistirmos ao saque descarado e habitual, do erário público, levado a cabo pelos políticos, gestores públicos, boys, girls, familiares e amigos... ainda temos que sustentar mais o saque atrevido e sujo das fundações, que é, em boa verdade, um universo paralelo de albergues, criado e inventado para alargar o circulo dos saqueadores a mais pessoal, pois a politica  e a função pública, já não dispõem de espaço para encaixar tanto boy e larápio. Assim criam-se institutosfundações, empresas autárquicas, parasitas para disfarçar aquilo que já não tem disfarce. 
Mas como ter o privilégio de ter uma empresa e cargos sustentados pelos impostos alheios, não lhes parece suficientemente bom, ainda decidem abusar nos luxos e salários...   

Foram detectados "casos chocantes", como a situação de responsáveis de fundações com salários de 20 mil euros. "Com este salário, precisam de apoios do Estado?", questionou. Só 11 fundações receberam cada uma mais de 10 milhões de euros entre 2008 e 2010. As entidades analisadas começaram com um património de 1760 milhões de euros, que em 2010 já tinha quase triplicado para 5137 milhões." cm
«A auditoria feita pelo Governo às fundações identificou vários casos de salários ‘dourados’ aos seus administradores, até mesmo em casos onde o financiamento destas instituições é exclusivamente público. O seu destino está traçado: tectos salariais ou corte de financiamento.
Segundo apurou o SOL, alguns dos casos agora vistos à lupa incluem o administrador delegado da Casa da Música, Nuno Azevedo, que recebe 11.192 euros mensais; o presidente da Fundação Cidade de Guimarães, João Bonifácio Serra, 10.300 euros; o presidente da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior, Alberto_Amaral, 9.985 euros; ou Miguel Lobo Antunes, que recebe na Culturgest, 8.550 euros.
No caso de fundações privadas, o Governo não pode obrigar a nada, mas pode moralizar os gastos, diminuindo o financiamento estatal nos casos em que considere que as instituições estão a usar o dinheiro para pagar altos ordenados aos seus administradores.
Outro caso diferente é da Fundação Maria Ulrich, onde os vencimentos chegam a 112 mil euros por ano, mas que apenas recebe 4% de apoios estatais, levando a que o Estado pouco possa – ou queira – fazer.»
 sol.

Auditorias, apenas para cumprir as exigências da TROIKA, que mandou acabar com o regabofe das fundações, mas como elas pertencem a boys protegidos, poucas irão ser encerradas e o regabofe continuará... Pois estes senhores jamais abdicarão dos milhares de impostos que parasitam aos contribuintes.
E como diz Marques Mendes, neste video, ainda têm direito a viaturas, motoristas, despesas de representação, etc...
Mas os portugueses teimam em culpar a TROIKA do estado de crise que vivemos e os políticos adoram portugueses ceguinhos que fazem da Troika o bode expiatório. Os nossos políticos defendem apenas os ricos e os amigos.
Infelizmente os nossos governantes conseguem enganar a troika, e fornecem informações erradas, como fazem também com os eleitores, e prosseguem o saque.



20 agosto, 2012

Democracia para portugueses de primeira e portugueses de segunda.

democracy minority
É impossível defender a democracia e ao mesmo
tempo os direitos das minorias pois em
democracia, as minorias perdem sempre!
Em democracias distorcidas, como a que temos em Portugal, quem tem mais direitos e apoios do estado, são aqueles que menos precisariam de os ter. São estes os sintomas óbvios da falsa democracia, que teimamos não enxergar. 
Por outras palavras, quem tem dinheiro e poder, obtém tudo o que exige de apoios do estado, reformas, subvenções, fundações, subsídios, bolsas... tudo o que pedirem!!!
Mas quem tem pouco dinheiro e poder, perde cada vez mais direitos mesmo os mais básicos, como a dignidade e a comida na mesa.
E as entidades que nos (des)governam fazem questão de deixar bem claro quem é que eles apoiam e quem tem prioridade. E é essa prioridade que eles prezam e cumprem...

Assim as reformas dos "pobres" deputados demoram menos de um mês a serem despachadas, devido ás carências económicas que costuma apresentar esta classe de cidadãos...  enquanto as das pessoas "normais"(da plebe) demoram cerca de 1 ano!!!!
"Caixa Geral de Aposentações tem dois pesos e duas medidas.
Afinal há portugueses de primeira e portugueses de segunda. Senão vejamos. Numa altura em que a Caixa Geral de Aposentações está a levar mais de um ano a despachar as reformas, há um pequeno grupo de políticos que teve as suas reformas despachadas em menos de um mês."

Exemplos.
Jaime Gama, antigo presidente da Assembleia da República, enviou para a CGA o requerimento da sua pensão a 9 de Maio de 2011 e foi despachada a 20 de Junho do mesmo ano e a sua reforma foi despachada por 4808,11 euros.
Nesse mesmo dia, foi despachada a reforma antecipada de um outro deputado do partido socialista, José Magalhães, por um valor bem mais modesto, 2196,45 euros. Magalhães começou por ser militante do PCP e assessor parlamentar entre 1977 e 1983. Ainda sob a bandeira do PCP, foi deputado entre 1983 e 1990. Depois desvinculou-se do partido na sequência da perestroika e foi convidado por Jorge Sampaio a integrar as listas do PS nas eleições de 1991 como independente, tendo sido eleito.
2009 foi nomeado, sob proposta do primeiro-ministro José Sócrates, secretário de Estado da Justiça e da Modernização Judiciária, tendo nessa altura manchado o seu curriculum com uma série de aquisições de imobiliário para o seu gabinete, num ano em que Portugal já se encontrava em plena crise.
Maria do Rosário Boléo, que requereu a reforma a 11 de Outubro de 2010 e que a viu despachada a 29 do mês seguinte; 
Teresa Xardoné, que entrou com o pedido a 14 de Agosto de 2009 e viu ser-lhe atribuída a aposentação a 18 de Novembro do mesmo ano, 
Manuel dos Santos, que solicitou o requerimento à Caixa Geral de Aposentações a 9 de Julho de 2009 e viu o seu pedido diferido a 31 do mesmo mês
Jorge Strecht Ribeiro, que entrou com os papéis a 25 de Maio de 2011 e foi reformado a 15 de Setembro de 2011. fonte

19 agosto, 2012

A ironia a revelar o poder de um nome. Relvas move montanhas! Graças aos nossos impostos...



Um video muito engraçado para aqueles que ainda não percebem o que é corrupção.. e porque razão os políticos se desunham, mentem e humilham nas campanhas, para chegar ao poleiro.
Com ironia se denunciam algumas verdades que teimamos em não ver. 

Os políticos, ex-políticos, amigos e família ao favorecerem muitos amigos com o nosso dinheiro, passam a dispor de um estatuto que ultrapassa quase todas as barreiras impostas pela justiça e pela moral. Passam a ser cidadãos impunes e irresponsáveis, bafejados por cargos, fundações, regalias, subsídios, reformas, benefícios, etc
Miguel Relvas, e outros políticos, conquistam a liberdade e o poder vedado a todos os comuns cidadãos que não têm acesso nem ao poder, nem o descaramento para abusar do dinheiro e do poder público...
Chama-se corrupção!!!
E nós vamos rindo... e eles enriquecem e arruínam Portugal.

18 agosto, 2012

Os milhões de euros em carros, para o Parlamento.

Reportagem sobre o despesismo dos carros do estado. 


Mais luxos dos senhores deputados
E como os governos são mais amigos das empresas que vendem os carros, do que dos contribuintes, fazem contratos blindados, que não podem ser alterados, a favor do estado.

O grupo parlamentar do PS é o mais bem fornecido no que toca à frota automóvel, tanto em qualidade como em quantidade. As quatro novas viaturas ao serviço dos deputados socialistas, que ontem o JN noticiou, custam aos contribuintes 3800 euros por mês. DN

"Pedro Mota Soares herdou o Audi que foi encomendado pelo anterior secretário de Estado da Energia e Inovação e actual líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho.
O "Correio da Manhã" escreve que o Estado não pode devolver os 19 carros de luxo das marcas Audi, BMW, Mercedes, Volkswagen, Renault e Volvo adquiridos, em regime de aluguer operacional do veículo, já em 2011, pelo anterior governo. Isto porque os contratos, alvo de concurso público, estão blindados: fonte do Governo diz que a forma como foram celebrados impede a troca de um carro caro por dois mais baratos.

Os veículos custam 20 mil euros por mês. Dezoito automóveis ficaram ao serviço do Ministério da Economia e o mais caro de todos - um Audi que vai custar 95 mil euros em três anos - foi devolvido à Agência Nacional de Compras Públicas. Esta agência, que centraliza as compras do Estado, conseguiu arranjar-lhe colocação: o Ministério da Solidariedade e Segurança Social. A viatura, que está agora ao serviço do ministro Pedro Mota Soares, foi encomendada pelo anterior secretário de Estado da Energia e Inovação e actual líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho, que recusou prestar declarações sobre o assunto."DN

Há quem coleccione selos ou moedas, postais, canetas ou porta-chaves. O Primeiro-ministro habituou-nos a ser diferente em quase tudo: colecciona motoristas. (2010)
Dizem que são 12. São 12 os motoristas ao serviço do gabinete do Primeiro-Ministro. Uma equipa de futebol com treinador e tudo. Todos nomeados de fresquinho a 18 de Maio de 2010, em plena crise, como se pode ver em Diário da Republica.

Álvaro Santos Pereira ficou estupefacto com as contas de telemóveis, viagens e carros. As contas continuam a chegar.
O gabinete do antigo secretário de Estado do Comércio e da Defesa do Consumidor, Fernando Serrasqueiro, gastou numa viagem de uma semana a Lima e à cidade do México, em Março passado, 35 459,76 euros. O valor, discriminado numa factura enviada pela Abreu ao Ministério da Economia, revela que as passagens de avião custaram 20 669,76 euros, o alojamento 12 060 euros e 2730 euros foram gastos em serviços de aluguer de carros e motoristas.

A comitiva do ministério era composta apenas por três pessoas - o secretário de Estado e dois elementos do seu gabinete - mas as despesas pagas aos 20 empresários que foram "estabelecer contactos" para avaliar as possibilidades de exportações (um procedimento habitual em algumas deslocações oficiais) fez com que acabassem por sair 35 mil euros dos cofres públicos. A viagem tinha o objectivo "de apostar nas vendas e no investimento português numa região geográfica cuja economia continua a crescer a um ritmo mais elevado do que os mercados tradicionais portugueses, sobretudo aqueles da União Europeia". Fernando Serrasqueiro, o então secretário de Estado, que liderou a comitiva, apostava no Peru e no México por serem "países com uma dinâmica de crescimento que, para os valores europeus, são muito significativos em termos de crescimento do produto interno bruto (PIB), na ordem dos quatro e dos sete por cento, e são, por isso, de ter atenção", segundo declarações à Lusa, na véspera da viagem.
Depois de o ministro da Economia ter denunciado o "ambiente de ostentação que era uma ofensa para os portugueses" e com que se deparou quando chegou ao ministério, o i questionou os serviços para identificarem os gastos que traduziam, segundo o ministro, a tal "ostentação".
Os contratos de leasing, na altura referidos en passant por Álvaro Santos Pereira, que transitaram dos anteriores ministérios das Obras Públicas e Economia ascendem a 20 mil euros por mês, uma despesa de 241 mil euros por ano.
Curiosamente, o carro que mais encargos representa ainda não está no Ministério da Economia. Foi encomendado já em fim de ciclo, em Março, quando o governo já estava por um fio (caiu a 23 de Março, depois do chumbo do terceiro Plano de Estabilidade e Crescimento) pelo gabinete do então secretário de Estado da Energia e Inovação. Trata-se de um AOV (Aluguer Operacional de Viaturas) com contrato blindado que o ministério de Álvaro Santos Pereira não teve capacidade de romper: o custo do automóvel comprado em fim de festa vai custar ao Estado 95 mil euros nos próximos três anos.

O Ministério da Economia e do Emprego herdou também dos antecessores duas facturas no valor de 36 541,93 euros cada (ao todo, 73 083,72 euros), para pagamento de dois automóveis eléctricos Nissan Leaf, que têm de ser pagos até final de Setembro.
Ao Ministério da Economia continuam a chegar outra facturas de viagens, reparações de automóveis e contas de telemóvel. Agora o ministro decidiu estabelecer plafonds nos telemóveis, para evitar que se repita uma factura igual à que chegou da TMN, respeitante a Fevereiro, enviada ao gabinete de um ex-secretário de Estado no valor de 6737,77 euros. Outra, enviada pela Vodafone para o gabinete do ministro - também datada de Fevereiro -, exige um pagamento ao erário público no valor de 4637,96 euros.
Além destas "ostentações" havia outras: o motorista do ex-secretário de Estado Paulo Campos ganhava em média 4157,26 euros por mês. Destes, 3673,86 euros diziam respeito ao pagamento de horas extraordinárias. A esta remuneração acresciam ainda 483,40 euros mensais a título de subsídio de risco e de lavagem de viaturas.
Agora Álvaro Santos Pereira está empenhado em reduzir a despesa dos serviços que tem sob a sua tutela. MO facto de ter a chefe de gabinete mais bem paga do governo , cujo serviço de origem era a PT, acabou por se tornar uma arma de arremesso para a oposição (recebia 5.800 euros, quase tanto como o motoristas de Paulo Campos). fonte

A Assembleia da República abriu em dez de 2012 (mais um) concurso público urgente para quatro carros. Trata-se do aluguer operacional dos veículos, pelo período de 18 meses, no valor de 55 mil euros, de “cor preta, azul escura ou cinza escuro”. fonte

O ABUSO É ESCANDALOSO, DIVULGUE, O POVO TEM QUE SABER COMO SOMOS LEGALMENTE ROUBADOS-




17 agosto, 2012

Novo edifício da Policia Judiciária no centro de Lisboa e os milhões desperdiçados

corrupção imobiliária isaltino morais
Ora vejamos uma forma fácil e totalmente legal de transferir milhões, do erário público, para as empresas amigas... 
Isaltino Morais é amigo de várias empresas, incluindo a Teixeira Duarte e a Opway do BES que está agora ao cuidado de Almerindo Marques.. o tal que era o presidente das Estradas de Portugal e agora está na construtora do BES.

O edifício da PJ, a dispendiosa e grandiosa obra de 95 milhões, que se iniciou em Jan de 2011, era para ser construído em 2004 em Oeiras/Caxias. A obra estava já a avançar mas foi embargada, não sem antes dar dinheiro a muitos parasitas, pois como sempre deve ter dado dinheiro público aos habituais esquemas corruptos com os terrenos, as licenças, os PDM, os projectos, as adjudicações, as autorizações, e as habituais indemnizações, que nunca deixam as construtoras a perder...  etc etc.
(Paulo Morais explica a corrupção com os terrenos)

4 meses depois e de muitos milhões gastos, eis que a obra é embargada.
A construtora Teixeira Duarte, (conhecida como a amiga de Isaltino Morais e que esteve envolvida nas parcerias ruinosas do SATU) vai agora receber 15 milhões de euros de indemnização porque a obra foi embargada por não respeitar o PDM de Oeiras!!!! Os responsáveis pela gestão dos nossos impostos, Isaltinos e afins, não conseguiram prevenir este rombo nas finanças públicas? Não conheciam o PDM? Ou conheciam-no e por isso avançaram? Afinal o único que ficou a perder, foi o Zé Povinho, os restantes até saíram com os bolsos cheios. Porque se fosse do interesse de todos eles, teriam violado ou alterado o PDM e outras coisas que fosse necessário violar, como tantas vezes se faz, para avançar obras... mas como eles saíram sempre a ganhar, deixaram o PDM por violar... desta vez... e foram violar outro PDM.

Sim, porque o caso não fica por aqui... havia mais construtoras a precisar de dinheiro e mais PDM´s mortinhos por serem violados... por isso foram para Lisboa e para outra construtora.
Começa tudo de novo, agora no coração de Lisboa.. e desta vez já foi permitida e legalizada, a violação do PDM!!!!!!! Como pode confirmar nas declarações deste video.
O novo projecto foi adjudicado à empresa S&A (Saraiva & Associados), mais uma empresa com inúmeros projectos ao serviço do concelho de Isaltino Morais. E desta vez a obra fica para a construtora do BES liderada agora por Almerindo Marques.
Desta forma o dinheiro público saiu dos cofres e ajudou a Teixeira Duarte, com pelo menos 15 milhões, e as novas protagonistas, que ganharam a obra, nesta dispendiosa e confusa história. Ficaram todos a ganhar, menos o Zé- Povinho, como é habitual.
A cereja no topo do bolo será o heliporto muito útil nas prisões portuguesas. Para quê? Alguém sabe? Talvez para dar mais uns trocos aos construtores? Ou será para receber as vedetas do crime em Portugal? Já estamos a imaginar... os nossos prezados prisioneiros VIP a aterrar no heliporto, Isaltino Morais, Dias Loureiro, Oliveira Costa, Sócrates, Armando Vara... Sonhar não custa ...
Em boa verdade, quando a justiça funcionar, vamos mesmo é precisar de mais heliportos. Eu apoio!

@ - "Foi recentemente assinado pelo Ministro da Justiça, Alberto Martins, o auto de consignação para a construção da nova sede da Polícia Judiciária (PJ). A obra, no valor de 90 milhões de euros, será executada pela OPWAY. A assinatura do projecto coube ao gabinete Saraiva e Associados.
Entre outras novidades, a futura sede irá dispor de um heliporto que permitirá a aterragem de helicópteros pesados." sapo
@ - "O ministro da Justiça, Alberto Martins, assinou em Abril o despacho para o início das obras da nova sede da Judiciária, em Lisboa. A obra teve início no mesmo mês.
O projecto originalmente destinado a Caxias foi apresentado ainda durante o governo de coligação PSD/PP pela então ministra da Justiça, Celeste Cardona, e implicava a construção de uma "Cidade Judiciária" no concelho de Oeiras avaliada entre 55 e 60 milhões de euros, cuja conclusão se previa para meados de 2007.
O abandono da solução Caxias para instalar a sede nacional da Polícia Judiciária deverá implicar o pagamento de uma indemnização à construtora Teixeira Duarte (conhecida como a construtora "de" Isaltino de Morais) que poderá rondar os 15 milhões de euros. A construtora já tornou pública a sua intenção em ser ressarcida pela rescisão do contrato e pelas obras entretanto realizadas. As obras em Caxias tiveram início em Fevereiro de 2004 mas foram embargadas quatro meses depois por ordem do Tribunal Administrativo e Fiscal de Sintra, que deu razão aos autores de uma providência cautelar onde se invocava a violação do Plano Director Municipal de Oeiras, os impactes ambientais significativos e as consequências negativas no sistema de acessibilidades e no saneamento básico da freguesia. O novo projecto, da empresa S&A (Saraiva & Associados), mais uma empresa com
inúmeros projectos ao serviço do concelho de Isaltino Morais, levou mesmo à suspensão do PDM de Lisboa para que pudesse ser realizado. Fonte
@ - Judiciária inaugura edifício gigante com salas que vão ficar vazias.
Novas instalações custaram 95 milhões de euros. Edifício com 80 mil metros quadrados vai albergar 1500 pessoas. Dimensão contrasta com cortes orçamentais.
O gigantesco complexo ficará, porém, com muitas salas vazias: o projecto saltou dos 20 mil metros quadrados de construção acima do solo inicialmente previstos para 40 mil, uma área que duplica quando se contabilizam os andares que vão ficar enterrados.

Um Laboratório de Polícia Científica oito vezes maior e mil gabinetes de trabalho que vão permitir juntar todas as unidades. 
Um heliporto com capacidade para receber helicópteros de seis toneladas, vidros antibala, salas preparadas para se trabalhar 24 sobre 24 horas num cenário de catástrofe, barreiras arquitectónicas que conseguem travar a entrada de um camião TIR a 80 quilómetros por hora e lombas sonoras preparadas para levantar uma placa de aço e evitar uma intrusão no edifício. A nova sede da Polícia Judiciária (PJ), que esta manhã é inaugurada, tem a forma de um oito geométrico e foi desenhada a pensar no futuro. Mas do que vai precisar uma polícia de investigação criminal daqui a 50 anos e se, no entretanto, for necessário responder a uma catástrofe?
Para começar, vai precisar de espaço. O edifício tem 40 mil metros quadrados acima do solo e outros 40 mil abaixo da superfície. Nos subterrâneos, além dos pisos de estacionamento e de armazéns de apoio às unidades, vão funcionar duas carreiras de tiro: numa delas, de 25 metros quadrados, vai ser possível fazer tiro real a partir de um carro ou em direcção a ele.

15 agosto, 2012

Das 700 fundações talvez fechem 11? Cortes onde? No poder de compra do cidadão, claro!

O REGABOFE 
Mais uma vez teve que ser a TROIKA a impor o controle no saque que os governos fazem ou permitem que façam, ao erário público.
Foi a TROIKA que exigiu que se acabasse com o regabofe das fundações.
Contudo o governo já está a salvar a maioria das fundações... e a sacrificar quem as sustenta...
"O memorando diz também que, até Dezembro deste ano, terá que ser publicado um levantamento de todas as entidades públicas, incluindo associações, fundações e outros organismos em todos os níveis da administração pública, que permitirá ao Governo decidir quais deverá encerrar ou manter. " jn

"Passos Coelho tinha essa medida prevista no seu programa eleitoral, manteve-a no programa do Governo e só se lamenta que possa ter sido por insistência da troika que o trabalho avançou mais depressa. (...) alguns já viam apenas como uma forma de ter regalias nos impostos, fugir ao controlo orçamental ou receber dinheiro público, e ainda empregar alguns amigos. dn
A TROIKA desconhece que o programa eleitoral do governo, não passou de um mero embuste para caçar votos, mas os contribuintes já o sabem.
A TROIKA desconhece ainda, que o levantamento será realizado com base naquilo que os organismos declaram. As avaliações também serão realizadas nessa base.

14 agosto, 2012

Como rentabilizar um negócio ruinoso? Escolha bem o sócio. O estado!

Temos que concluir que o melhor investimento em negócio, em Portugal, é ser sócio do estado. Para quê correr riscos?
O ideal é meter-se num negócio em sociedade /parceria com o estado e se a coisa der lucro manda-se o estado embora, se a coisa der pouco lucro o estado cobre até perfazer a vontade do ambicioso sócio privado. E para o caso de a coisa dar para o torto, o contrato contem uma conveniente clausula que diz que se não der lucro, o estado compra a parte do privado e fica com o prejuízo e o mono.
Claro que no meio disto tudo o único que não sabe de nada é quem perde e paga. Os que sabem de tudo saem sempre a ganhar.
Não acredita? Então veja a lista que se segue e indigne-se...

-AEROPORTO DE BEJA
O GOVERNO (Paulo Campos/Sócrates) CONSTRUIU O AEROPORTO EM BEJA, UM INVESTIMENTO PREVISTO DE 35 MILHÕES!?
AGORA ESTÁ ÁS MOSCAS E SÓ ABRE AO DOMINGO DE MANHÃ!!! RENTÁVEL HEIN...
Em novembro de 2010, um relatório da auditoria do Tribunal de Contas (TC) divulgou que o encargo público com aquele que foi apelidado de "aeroporto low cost" pelo ex-ministro das Obras Públicas Mário Lino já é de quase €35,4 milhões, mais €1,3 milhões do que os €34,1 milhões previstos em 2006. O secretário de Estado das Obras Públicas, Paulo Campos, contrapõe que "o investimento público realizado para a abertura daquela pista foi de cerca de €30 milhões (cerca de 10% inferior ao previsto), encontrando-se a obra já finalizada". O relatório do TC avança que "será necessário despender mais €39 milhões (total de €74 milhões) para operacionalizar o aeroporto" e "dar cobertura a défices de exploração" da Empresa de Desenvolvimento do Aeroporto de Beja (EDAB) até 2015.  Expresso 
Mas como isto nunca tem fim, está previsto investir mais 257 MILHÕES numa autoestrada para ver se viabilizam um aeroporto condenado a arrastar dinheiro público para o vazio.
Em 2007, o aeroporto de Beja previa atingir, entre partidas e chegadas, uma média de 178 mil passageiros em 2009, que poderiam aumentar até 1,8 milhões em 2020, segundo as previsões da empresa EDAB, responsável pelo projecto.
A empresa foi extinta em Setembro, após um ano de inatividade, depois de a gestão ter sido transferida para a ANA-Aeroportos de Portugal."

Entretanto o prejuízo continuou a subir e a incompetência a esbanjar os nossos impostos.
O estado paga os prejuízos e oferece o negócio ruinoso à ANA /estado
"Jorge Pulido Valente, que é acionista e preside à assembleia geral da EDAB, mostrou-se preocupado “com o facto de a EDAB estar sem dinheiro para pagar os salários dos funcionários e assegurar as despesas correntes”. Os acionistas minoritários defendem que, “terá que ser o Estado”, enquanto acionista maioritário, “a assumir o pagamento dos salários dos funcionários e as despesas correntes” da empresa.“Não faz sentido serem os outros acionistas, que não o Estado, a entrar com capital” para pagar os salários dos funcionários e as despesas correntes da EDAB, disse Jorge Pulido Valente."  Artigo completo 
Não resultou?? Que pena...  o estado compra a sucata e o prejuízo!!!

SATU OEIRAS 
"Depois de a Câmara Municipal de Oeiras se ter mostrado disponível para assumir a totalidade do SATU - continua por definir o futuro da estrutura acionista da empresa, que é detida a 51% pela autarquia e a 49% pela Teixeira Duarte. Em causa está o prejuízo de €17,3 milhões que a ligação entre a estação ferroviária de Paço de Arcos e o centro comercial Oeiras Parque tem acumulado e que tem sido suportado pelo parceiro privado desde o início da exploração, em 2004. "A razão dos resultados negativos deve-se, essencialmente, ao facto de o atual trajeto, construído e em exploração ter apenas 1,2 km, quando o sistema tem por objetivo um trajeto final de cerca de 11 km, que é a ligação de Paço de Arcos ao Cacém, ligando as duas linhas ferroviárias (Lisboa-Cascais/ Lisboa-Sintra)", explica Miguel Costa, presidente do conselho de administração da empresa." Jornal  Expresso
Transporte (SATU) dá prejuízo anual de 3 milhões. Relatório da IGF concluiu que no projecto não terá sido salvaguardado o interesse público. Fonte

2014, Out. FALIU - Ministra das Finanças acabou com o sonho ferroviário de Isaltino Morais
Câmara diz que a decisão de extinguir a empresa SATU Oeiras se baseia num relatório com “erros crassos” e “estranha” que, um mês depois, o secretário de Estado dos Transportes tenha reiterado o seu apoio ao projecto. Público
Portugal ganhou mais uma obra gigantesca inútil ao abandono, a construtora ganhou milhões, os irresponsáveis políticos só Deus sabe o que ganharam, e os contribuintes esses só perderam. E ainda ficam ainda com uma mamarracho de uma linha suspensa que custou milhões e irá degradar-se e apodrecer ao abandono até se transformar num monte de ferrugem.